segunda-feira, 21 de março de 2011

UM POEMA DE TORGA... NO DIA MUNDIAL DA POESIA...

A UM SECRETO LEITOR

Coimbra, 21 de Fevereiro de 1951

No silêncio da noite é que te falo
Como através dum ralo
De confissão.
Auscultadores impessoais e atentos,
Os teus ouvidos são
Ermos abertos para os meus tormentos.



Sem saber o teu nome e sem te ver
- Juiz que ninguém pode corromper -.
Murmuro-te os meus versos, os pecados,
Penitente e seguro
De que serás um búzio do futuro,
Se os poemas me forem perdoados.



Miguel Torga

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.